quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Reflexões da Sagrada Escritura: A quem muito foi dado, muito será pedido


29ª Semana do Tempo Comum - Quarta-feira 25/10/2017
Primeira Leitura (Rm 6,12-18)
Responsório (Sl 123,1-3. 4-6. 7-8 (R. 8a))
Evangelho (Lc 12,39-48)

1. Nos ensina hoje São Paulo: <Acaso não sabeis que, oferecendo-vos a alguém como escravos, sois realmente escravos daquele a quem obedeceis, seja escravos do pecado para a morte, seja escravos da obediência para a justiça?> (Rm 6, 16). Aquele que se entrega ao pecado, torna-se escravo do pecado. Tolkien, grande ficcionista católico retratou muito bem a figura do homem escravo do pecado com o personagem Gollum; é a tal estado desprezível que nos reduz o pecado; chaga terrível que faz com que nos tornemos piores que animais.

Se o pecado escraviza, a verdade liberta. Em um curioso paradoxo, aqueles que se tornam escravos da obediência pela justiça, são aqueles realmente livres. O pecado escraviza, a verdade liberta. Pelo pecado nos tornamos piores que animais, praticando a verdade católica somos chamados ao convívio dos anjos.

Pensemos nisto...

2. No salmo cantamos: <Se o Senhor não estivesse ao nosso lado, que o diga Israel neste momento; se o Senhor não estivesse ao nosso lado, quando os homens investiram contra nós, com certeza nos teriam devorado no furor de sua ira contra nós. (Sl 123, 1-3)>; é exatamente deste modo, em nossas vidas e na vida e história da Igreja. Por nossas forças, já teríamos sido destruídos, é pelo auxílio do Senhor, pela ação de sua graça, que ainda estamos aqui.

Não alimentemos ilusões, saibamos que não somos dignos de confiança, que por nossas forças nada podemos; mas coloquemos nossa esperança no Senhor, no Senhor que fez o céu e fez a terra!

3. No Evangelho é-nos dito: <A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!” (Lc 12, 48b)> . Quanto não será cobrado de nós católicos? Nós que pela graça de Deus estamos na religião verdadeira, que temos o auxílio dos santos, a ação dos Sacramentos, sobretudo a presença real de Nosso Senhor Jesus Cristo na Divina Eucarística.

Muito, muito foi-nos dado, mais do que aos anjos. Muito também nos será cobrado. Tenhamos isso em mente, e não nos acomodemos, vivamos para a glória do Senhor, trabalhando pela salvação das almas, cada um segundo seu estado.

4. Hoje também celebramos a memória de Santo Antônio de Sant'Ana Galvão, o Frei Galvão, santo brasileiro. É motivo de grande alegria saber que um conterrâneo nosso, que caminhou cá por essas terras, que e rezou em nossa língua, nossos sotaques, alcançou altos graus de santidade.

Que São Frei Galvão rogai por nós, rogai pela conversão, santificação e salvação das almas desta Terra de Santa Cruz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário