segunda-feira, 29 de maio de 2017

O que preciso saber para começar a plantar?


Nossos avôs e ancestrais próximos, logo ao deixarem a vida rural e mudar-se para cidade, trouxeram ao espaço urbano hábitos e costumes de sua pretérita vida rural. Quantos, não cultivavam em um quintal, no fundo da casa, os mais diversos alimentos? Aqui, meu avô tinha uma grande variedade de culturas: manga, banana, limão, acerola, hortelã, entre outras. Infelizmente, tal prática não foi transmitida as gerações futuras, se meu avô fora um verdadeiro fazendeiro urbano, meus pais o máximo que sabiam era alguma coisa sobre flores e jardinagem, e eu, até antes da faculdade, nem isso.

Foi preciso, pois, alguns hippies sujos e um nome empolado para que uma prática tão simples e antiga retornasse aos lares brasileiros. É a agricultura urbana, que por influência do controverso movimento orgânico, tem caído no gosto dos norte-americanos, e ecoando (embora de maneira um tanto incipiente) aqui no Brasil.



Além dos efeitos psicológico-terapêuticos, tal prática tem sido para muitos uma fonte economia (afinal para quê vou comprar algo no mercado, se posso cultivar no meu quintal?), renda (posso vender meus excedentes), diversão, além de proporcionar no longo prazo benefícios a coletividade (podendo o município receber os gêneros alimentícios de suas próprias fronteiras, conseguindo assim o mercado interno produtos frescos a um preço melhor; além de formar nos praticantes uma cultura de “independência do sistema”) e redesenhar a forma de apropriação do espaço urbano.

Gostou da ideia? Que tal começar agora mesmo? Mas, comecemos do jeito certo, sem expectativas exageradas, segue um podcast[1] com o Lucas Pin, expondo alguns conceitos básicos do que você precisa saber antes de começar a plantar, em uma linguagem clara e acessível ao público leigo, bora colocar a mão na massa terra.


[1] O podcast em questão é um dos episódios do programa denominados Sobrecast, de produção do Júlio Lobo do Sobrevivêncialismo, tenho certas ressalvas com relação a este, mas o episódio em questão aqui linkado é bom.

Nenhum comentário:

Postar um comentário